Sua empresa precisa de liderança de proximidade

Dicas sobre educação corporativa para futuros líderes de proximidade, que cuidam do engajamento e do bem-estar de uma equipe

Investimento e eficiência no mercado de treinamento corporativo

As lideranças, nos tempos atuais, seguem as mudanças sociais e empresariais: pressão para entregar resultados e cada vez mais responsabilidades sob as equipes, acompanhada com frequência por uma falta de orientação gerencial no dia a dia.

No cenário descrito acima, a elaboração de uma estratégia de treinamento e desenvolvimento (T&D) voltada à capacitação de aptidões de gestão ganha mais força quando os seus conteúdos levam em consideração a liderança de proximidade.

Nesse modelo de liderança, o conceito de estar à frente de uma equipe vai muito além de avaliar os seus progressos e resultados. O objetivo é preparar líderes acessíveis e presentes no dia a dia, em um papel cada vez maior de coach do cotidiano.

A prática da liderança de proximidade na rotina de trabalho acontece quando o gestor se adéqua às necessidades e motivações do seu grupo. Ele se torna capaz de compreender as demandas e desafios dos colaboradores de forma assertiva, ouvindo o que eles têm a dizer para montar planos de ação individuais.

Identificação de perfis de liderança nas equipes

Arquitetar um plano de T&D voltado à liderança de proximidade que envolva características diversas e identificar os colaboradores que possuem os perfis específicos para encarar uma capacitação como tal. A tarefa é desafiadora conforme os tamanhos das equipes e a diversidade de personalidades e de culturas em uma empresa, com resultados gratificantes quando é bem executada. Esse desenvolvimento chega a ganhar consideração nos indicadores balanceados de desempenho dos colaboradores, junto com os resultados operacionais, pela sustentabilização da performance no tempo.

No entanto, é válido ressaltar que isso já faz parte da proposta de um referencial de competência vivo e ágil, orientando as atividades de educação corporativa onde o líder sai de um papel paternalista para um papel de orientador.

A trilha de desenvolvimento acompanha o líder de uma forma coerente por meio dos diversos níveis de maturidade dessa liderança, sem ocultar a importância da facilidade de aproximação com os times. Para que montar um plano de ação individual para seus colaboradores se não for capaz de transmitir os objetivos a curto, médio e longo prazo?

É essencial ter visão de longo prazo sobre como manter a estrutura de aprimoramento, compondo as trilhas de competências universais e facilitando a reciclagem contínua dos conteúdos pontuais ou contextuais.

Um treinamento de líderes torna-se efetivo quando os colaboradores que possuem os perfis esperados fazem parte da rotina de desenvolvimento. Um erro fácil de cometer seria o de negligenciar a importância de fomentar estratégias que se adequem ao nível de liderança específico e necessário para cada equipe. Os potenciais líderes também precisam demonstrar as competências adequadas para cada função e momento, para facilitar a aproximação com os integrantes de seus respectivos times e assegurar a boa aplicação da sua liderança.

Os perfis que merecem maior atenção são os seguintes:

  • Eles sabem que não sabem, mas querem: aqueles que não entendem muito sobre a liderança de equipes, mas demonstram dedicação e interesse em aprender; embora não possuam talentos naturais de liderança ou não manifestem diretamente interesse em saber mais. Entendem o conceito de liderança de aproximação e, caso aceitem fazer parte das ações de educação corporativa, podem se tornar bons líderes, próximos de suas equipes;

 

  • Eles não sabem que sabem: aqueles que, embora não tenham percebido conscientemente, possuem habilidades inatas de liderança de aproximação. Em um resumo simples, são os que “não sabem o quanto sabem”;

 

  • Eles sabem que sabem: os talentos naturais que se tornaram embaixadores do programa.

Selecionando a equipe para o treinamento

Para facilitar a seleção da equipe de desenvolvimento de liderança de proximidade, especialmente nas empresas com grande capilaridade ou alto número de funcionários, o processo pode se beneficiar das oportunidades que as atividades colaborativas digitais oferecem, avaliando e medindo posturas e atitudes além dos conhecimentos técnicos.

A partir de um mapeamento de competências e atividades colaborativas preliminares, é possível compreender quem está, de fato, dentro do perfil esperado em termos de assuntos comportamental. Esse é o primeiro passo para não cair na armadilha do excelente profissional se mostrando um líder de menos relevância e também um espaço para procurar com exaustividade talentos não identificados até hoje, por motivos diversos: distância, pouca frequência de contatos com o time de desenvolvimento ou qualquer outro desafio do dia a dia. Uma vez selecionados os perfis pelos meios digitais e colaborativos, as entrevistas presenciais são realizadas de uma forma mais assertiva, mais precisa ou mais focada no complemento do processo seletivo.

Aplicação de um treinamento digital colaborativo

A realização do mapeamento de competências continua com grande relevância na realização do programa de T&D, para compreender onde os colaboradores apresentam mais facilidades ou precisam de um reforço além das trilhas de base do treinamento. Em uma solução aplicada por meio do novo blended learning, há possibilidades de atividades colaborativas, simulações de situações reais de expediente (imagine, por exemplo, aplicar um treinamento em realidade virtual, onde o líder em potencial aprende a enfrentar questões de conduta ou absenteísmo), integradas a exercícios teóricos e práticos, além da convergência com atividades presenciais.

Para definir os caminhos das trilhas de base e suas “bifurcações”, um community manager (CM) atento a tudo o que acontece durante o processo é essencial. O CM analisa o engajamento na plataforma, conversa com os colaboradores, recebe feedbacks individuais sobre o desenvolvimento e, de acordo com as necessidades, cria trilhas de apoio aos que estão estagnados em determinados tópicos ou caminhos específicos mais avançados aos que demonstram perícias excepcionais de liderança de proximidade, segmentando conteúdos e módulos complementares.

Em resumo, é simplesmente oferecer uma liberdade completa de selecionar, capacitar, certificar e acompanhar os líderes dentro das suas missões reais de forma contínua e adequada.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *